Desvendando os segredos dos logotipos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Desvendando os segredos dos logotipos

Logotipo é a cara da empresa, a perfeita definição visual do que ela realmente quer passar para o consumidor final, tanto o conceito ético como missão, visão e valores como a comunicação que a companhia utilizar. 

Existem diversas maneiras de analisar um logotipo, mas antes de falarmos disso, vamos desmistificar uma dúvida relacionada à utilização do termo.

Muitos chamam de logotipo e outros chamam de logomarca, mas qual é o certo?

Pelo estudo da língua e origem das palavras, o termo “logo”, do Grego, representa “significado” e “typo”, também do Grego, representa “símbolo ou figura” então a fusão “logotipo” é igual a “figura de um conceito”. Já a palavra “marca” tem origem do idioma germânico e representa “significado”, ou seja, a palavra “logomarca” na verdade ficaria “significado significado”. Dessa forma, podemos observar que a palavra certa é logotipo e você pode usar o termo “marca” de forma separada para apresentar uma empresa ou um conceito, mas nunca use logomarca!

Observando os tipos de logotipo

1 – Lettermark

Se trata de um logo com tipografia, normalmente usado por empresas ou marcas com nomes grandes ou difíceis de lembrar como a Procter & Gamble, também conhecida como P&G ou o Centro de Cultura Anglo Americana quando nos referimos ao CCAA. 

Esse formato de logotipo funciona muito bem com relação à memorização de uma marca na cabeça do consumidor. 

Alguns dos principais exemplos de Lettermark são: CNA, CNN, CVC, NFL, IBM e muitas outras.

2 – Imagético ou simbólico

É aquele logotipo bonito formado pela imagem que representa e marca a memória do consumidor como aquele “M” do McDonald’s, a semiótica aplicada no logotipo do Carrefour que deixa vazada a letra “C” dentro da bandeira deles e a maçã mordida da Apple.

Esse tipo de logotipo funciona bem com uma estratégia de assimilação, por exemplo, quando vemos uma maçã faltando um pedaço já podemos associá-la à marca Apple sem mesmo aparecer o nome da empresa.

3 – Emblema ou brasão

Funciona como um badget ou broche para a marca, a indústria automobilística utiliza esse tipo de técnica de criação de logo para fortalecer a identidade e tornar clientes em fãs. Como podemos observar no logotipo da Ford, Volkswagen, Harley-Davidson e outros, nos quais o nome da empresa costuma ficar cravado no centro de um “brasão” ou moldura como uma medalha por utilizar a marca.

4 – Mascotes e personificações

Você conhece o Dollynho? Esse é o melhor exemplo de personificação e mascote de uma marca, ele foi criado em 1987 junto com a fábrica, desenhado pelo próprio dono e ganhou o gosto do público, principalmente depois que viralizou em formato de “meme”. 

Não só as empresas, mas alguns eventos também são reconhecidos pelos mascotes como nas Olimpíadas e Copa do Mundo nos quais são criados eventos gigantescos para apresentação. Outras demonstrações de sucesso com relação aos mascotes são Sucrilhos Kellogg’s com o tigre, Bocão da gelatina Royal e as vacas da Toddy.

5 – Wordmark

Sendo um dos mais tradicionais, o logo de Wordmark é apresentado apenas com o nome da empresa em questão, como o Google se apresenta. Eles não possuem um ícone, mascote ou forma rebuscada, mas sim o próprio nome escrito por inteiro com cores que representam a identidade. Ainda podemos citar empresas como Disney, Canon, Nikon entre outras. 

Storytelling de Logotipos

Com o passar dos anos, a empresa precisa se adaptar ao novo, se integrar com o público e tornar a corporação 

mais com a cara do público-alvo, por isso muitas empresas alteram o logo. Esse processo de renovar a identidade visual é essencial para novos ares ou fortalecer os princípios éticos da corporação. 

Os logotipos da Apple, por exemplo, começaram com algo extremamente complexo os quais representavam o momento da descoberta da gravidade. Com o passar do tempo, eles adaptaram para algo mais representativo e minimalista, hoje o modelo de logotipo está um dos mais flats possíveis. 

Essa timeline da identidade visual de uma empresa serve como uma bússola mostrando qual a origem da companhia e apontando para quais caminhos ela irá seguir. 

O logotipo é a representação da marca e como as pessoas se lembrarão dela, então quando for preparar o seu é importante pensar em:

  • Cores que fazem parte da comunicação da empresa;
  • Ícone que represente bem o sentido de missão, visão e valor;
  • Storytelling que demonstra a evolução da empresa durante os anos;
  • Formas de apresentação do material como tons e identidade visual.

Com essas informações fica mais fácil de definir uma cara para sua marca, mas se mesmo assim ainda ficou com dúvidas, entre em contato conosco. Nós podemos ajudar em todo o processo de estruturação da identidade visual até a divulgação dos seus projetos, conte com a Thatto! 

Gostou do conteúdo? Compartilhe o conhecimento!