Trade Marketing e Branding: a relação entre essas áreas

trade marketing e branding: a relação entre essas áreas

Chamar a atenção dos consumidores se torna, cada vez mais, um desafio para as marcas. E já mencionamos isso algumas vezes, sobre como a forma de consumo vem mudando cada vez mais, e com isso, as relações entre clientes e marcas. Para garantir que sua marca seja vista e ouvida, é importante investir em trade marketing e branding. Eles garantem que você otimize a presença da sua marca, tanto nas lojas, quanto em qualquer outro canal em que você esteja presente.

Já comentamos sobre as definições de trade marketing e branding, mas vamos repassar rapidamente.

Trade Marketing

Junção das práticas planejadas e executadas pela indústria para aumentar vendas e otimizar a atuação dos canais de distribuição.

Branding

É o fortalecimento de gestão da marca, do intangível, trata sobre como o cliente enxerga a marca e como fica fixada na sua memória.

Hoje, vamos falar um pouco como trabalhar o Trade Marketing e o Branding juntos. Esse alinhamento pode gerar mudanças no posicionamento da marca, otimização dos custos e conquista de valor sobre o produto.

 

Conceitos diferentes que vem do mesmo lugar

 

Apesar das particularidades de trade marketing e branding, é importante lembrarmos que tudo nasceu do mesmo berço. Atualmente, trabalhamos eles de maneira segmentada só significa que nos especializamos muito, mas não que sejam coisas diferentes. Têm a mesma natureza, mas olhares específicos.

Um branding bem feito é capaz de difundir marcas como sinônimos de categorias. Os exemplos são: Cotonete (hastes flexíveis com ponta de algodão), Maizena (amido de milho), Bombril (esponja de aço). A relevância da marca é tanta, que trocamos o nome da categoria original e isso mostra que as empresas investiram na entrega de valor.

O branding é capaz de atuar no diferencial que o produto por si só não consegue alcançar, é o que só a marca é capaz de entregar como valor. Ele atua na gestão dos pontos de contato, tem a ver com relacionamento, com a experiência do cliente com a marca. A idealização na mente do cliente e a comprovação com uso do produto.

Credibilidade no PDV

Dentro do PDV, a disputa se torna cada vez mais acirrada. Além de quesitos básicos para fortalecer a probabilidade de escolha do produto (presença, preço correto, ponto extra). Manter sua marca na mente do cliente é um ponto a mais na hora da consideração durante a jornada de compra.

Dentro do trade marketing são utilizadas diferentes estratégias e, geralmente, ganha o produto que consegue conquistar mais a atenção do shopper. Uma coisa a se levar em conta é o consumidor tem a tendência a levar a marca mais conhecida. Ele vai considerar que a credibilidade do nome vem sempre primeiro. Isso é comprovado quando testes às cegas são realizados. O cliente avalia sem rótulos, fica surpreso quando o produto da marca desconhecida é melhor que o da marca conhecida.

 

 

“Brandingtizando” o trade

Primeiro, debater a influência do trade na comunicação da marca é um passo importante para que a execução esteja de acordo com o planejamento de marketing.

Principalmente no mercado de bens de consumo, a forma como se faz trade marketing é um pouco diferente. Além da disputa de espaço com os concorrentes, as pessoas que estão vendendo exercem muito poder de influência sobre a compra.

Isso quer dizer que a pessoa que está na ponta será responsável pela materialização do conceito de marca que a empresa trabalhou desde o início. Dessa forma, ter a marca na mão do trade é algo que pode fazer a diferença. Um trabalho todo conceitual pode tomar forma e se potencializar. Quando o branding se une ao trade, você pode condicionar o influenciador.

Agora, com os influenciadores digitais, é um ótimo momento para alinhar branding e trade marketing, principalmente nos setores de bens de consumo e alimentício. Esses esforços criam maior eficiência para as ações de trade marketing. A marca precisa ter força suficiente para determinar a negociação em um ponto de venda, se for forte o bastante, elimina argumentações.

Combinando estratégias

Para combinar as estratégias de trade e branding, primeiro é necessário observar qual a narrativa que a marca vai mostrar para o público. A história da sua empresa descreve o que ela faz, e o mais importante, porque ela faz. As narrativas vão trazer emoções e causar identificação. O objetivo nesse momento é se mostrar relevante para o seu potencial consumidor.

Como você está lidando com seus canais de distribuição? Importante lembrarmos aqui que cada canal possui sua particularidade. Para entender quais canais são mais relevantes para sua marca e seu segmento, basta uma análise da sua persona e ajustar a comunicação dentro de cada canal relevante.

Observe o que os seus concorrentes ou marcas que você admira estão fazendo dentro dos canais delas. Quais estratégias se alinham às suas? O que pode ser aproveitado do que eles estão fazendo?

Finalmente, o que você quer que seu consumidor sinta em relação a sua marca? Como proporcionar isso dentro dos canais em que sua marca está presente? Procure otimizar os fatores que você sente que são positivos sobre a experiência de compra do seu produto ou serviço. É importante que as impressões sejam as melhores, já que muitos clientes colocam isso em evidência.

Para combinar seu trade marketing e seu branding, conte com a ajuda da Thatto e entre em contato conosco!

Gostou do texto? Veja mais aqui! Comente e compartilhe!

Fernanda Pilão

Jornalista, formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Redatora da agência Thatto Comunicação, apaixonada por livros, séries e hqs.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *